A 'Estratégia de Sevilha' (Seville Strategy) foi definida na Conferência Internacional das Reservas da Biosfera realizada, em Sevilha, em 1995. Foi mais uma tentativa de melhor orientar o vínculo dos países e a gestão das reservas da biosfera ao Programa MaB e à Rede Mundial de Reservas. Ela contém recomendações para desenvolver reservas da biosfera efetivas e para estabelecer as condições apropriadas ao funcionamento da Rede Mundial de Reservas da Biosfera. Esse documento identifica o papel específico das reservas da biosfera na elaboração de uma nova visão da relação entre conservação e desenvolvimento. Ele toma como base, também, os princípios da Convenção da Diversidade Biológica e da Agenda 21.

A Estratégia apresenta objetivos, metas, ações recomendadas e indicadores de implementação –além de referências sobre o cruzamento desses elementos. Tais elementos estão, ainda, organizados segundo os níveis de atuação (internacional, nacional e reserva da biosfera individual) em que cada recomendação será mais efetiva. Porém, dada a grande variedade de diferentes situações de gestões nacionais e locais, esses níveis de ação recomendados deveriam ser vistos apenas como diretrizes –adaptados para se ajustar à situação em questão. Note-se, especialmente, que o 'nível nacional' deve ser interpretado de forma a incluir outros níveis governamentaisalém do federal (estados, municípios). O 'nível internacional' inclui a apreciação global, mas, freqüentemente, também engloba atividades internacionais de carater regional.

Além dos níveis, convém destacar, nesta síntese da Estratégia de Sevilha, os objetivos e metas apresentados:

I. Usar as reservas da biosfera para conservar a diversidade natural e cultural

I.1. Melhorar a cobertura da biodiversidade natural e cultural por meio da Rede Mundial de Reservas da Biosfera
I.2. Integrar as reservas da biosfera no planejamento da conservação

II. Utilizar as reservas da biosfera como modelos de gestão territorial e local de experimentação de enfoques para o desenvolvimento sustentável

II.1. Garantir o apoio e o envolvimento das comunidades locais
II.2. Assegurar melhores harmonização e interação entre as diferentes zonas da reserva da biosfera
II.3. Integrar reservas da biosfera no planejamento regional

III. Usar as reservas da biosfera para pesquisa, monitoramento, educação e treinamento

III.1. Melhorar o conhecimento das interações entre os seres humanos e a biosfera
III.2. Melhorar as atividades de monitoramento
III.3. Melhorar educação, consciência pública e envolvimento
III.4. Melhorar a capacitação para especialistas e gestores

IV. Implementar o conceito de reserva da biosfera

IV.1. Integrar as funções das reservas da biosfera
IV.2. Fortalecer a Rede Mundial de Reservas da Biosfera

Para ver o documento completo Clique Aqui. (.pdf)*

* Arquivos em formato PDF: Devido ao tamanho dos arquivos, aconselhamos clicar com o botão direito do mouse sobre os links e utilizar a opção "Salvar destino como..." (Save target as...) para fazer uma cópia em seu computador para posterior visualização. Lembramos que é necessário ter instalado em seu computador o programa Acrobat Reader. Caso você não tenha o Acrobat Reader no seu computador, clique na figura ao lado para afzer o Download.

Instale o Acrobat Reader
Links relevantesAgendaGlossário

© 2004 Conselho Nacional Reserva da Biosfera da Mata Atlântica

Rua do Horto, 931 - Horto Florestal
CEP 02377-000 - São Paulo - SP
+ (55 11) 2208-6080 / 2208-6082
secretaria@rbma.org.br | cnrbma@rbma.org.br | cnrbma@uol.com.br