Corredores de Biodiversidade integram diferentes escalas de proteção ambiental, desde a local até a regional.Um Corredor inclui porções suficientemente grandes e criteriosamente selecionadas de ambientes naturais, que representa, diferentes ecossistemas.O objetivo de um Corredor é aumentar a conexão entre remanescentes de paisagens permitindo o trânsito e as trocas genéticas de espécies no longo prazo.Grandes parcelas de hábitats são necessárias para a manutenção da biodiversidade e dos processos ecológicos.Hoje, todas as oportunidades para a proteção permanente dessas grandes áreas devem ser aproveitadas. Às vezes, estas oportunidades são reduzidas, sobretudo na fragmentada Mata Atlântica.

Freqüentemente, as Unidades de Conservação são muito pequenas e isoladas para proteger ecossistemas e processos evolutivos .Na maioria dos hotspots (as áreas mais ricas e ameaçadas do planeta) , os remanescentes de habitat não protegidos encontram-se gravemente ameaçados.

Na ausência de vastas extensões de hábitats naturais contínuos buscam-se formas sustentáveis e pouco impactantes de uso do solo, permitindo a mobilidade e o intercâmbio genético da flora e fauna entre fragmentos.

Os Corredores de Biodiversidade também têm por objetivo incluir toda a sociedade civil nos processos práticos e políticos da conservação da biodiversidade, provando que a disponibilidade de recursos naturais no longo prazo depende da ação dos cidadãos de hoje.Por isso, o envolvimento ativos dos atores locais e o desenvolvimento de sua capacidade de planejamento e habilidade de implementação de ações de conservação são fundamentais para a sustentabilidade dos Corredores de Biodiversidade.
(Aliança para Conservação da Mata Atlântica)

Corredor de Biodiversidade da Serra do Mar

O Corredor de Biodiversidade da Serra do Mar, definido pela Conservação Internacional-Brasil, é compreendido pela bacia hidrográfica do rio Paraíba do Sul, no Estado de São Paulo, parte da Serra da Mantiqueira em Minas Gerias e o Estado do Rio de Janeiro, tendo como limite norte o Rio Paraiba do Sul.

De acordo com a entidade, “a porção da Serra do Mar entre os estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais possui um dos principais trechos contínuos de Mata Atlântica e uma das maiores concentrações de espécies endêmicas de muitos grupos da fauna e flora, ou seja, com espécies que só existem lá e em nenhum outro lugar do planeta. Os riachos costeiros do Rio de Janeiro apresentam o mais elevado nível de endemismo de peixes da Mata Atlântica e a Serra da Mantiqueira , em Minas Gerais, destaca-se como a maior diversidade de mamíferos de pequeno porte desse hotspot. Nessa região, muitos remanescentes de mata compõem unidades de conservação, o que os tornam propícios para ações e investimentos em conservação a longo prazo - particularmente para a implementação de corredores destinados a aumentar a conectividade entre fragmentos.

Links relevantesAgendaGlossário

© 2004 Conselho Nacional Reserva da Biosfera da Mata Atlântica
Rua do Horto, 931 - Horto Florestal
CEP 02377-000 - São Paulo - SP
Tel: + (55 11) 2232-5728
E-mails: rbma@rbma.org.br
              cnrbma@uol.com.br